Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda

Universidade: Unicamp
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas

Disciplina: Antropologia no Brasil
Ano: 1o semestre 2006
Professor: Luiz Henrique Passador
Resenha do livro: Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda

O momento era pós Revolução de 30, de descrença no liberalismo tradicional, quando os ideais integralistas e socialistas estavam fortemente presentes, e em conseqüente constante divergência.
Levado por tais tensões contemporâneas, Sérgio Buarque de Holanda procura, em Raízes do Brasil, não apenas compreendê-las, mas também compreender e explicar o Brasil e o brasileiro, ou seja, o modo de ser ou a estrutura social e política.
Inovador no tom ensaístico e no conteúdo, Raízes do Brasil tem respaldo teórico na História Social dos franceses e na Sociologia da Cultura dos alemães, além de conter elementos das teorias sociológica e etnológica ainda inéditas no Brasil, e perspectiva psicológica. Num tempo de saudosismo patriarcalista, Sérgio Buarque sugere em Raízes do Brasil que, do ponto de vista metodológico, o conhecimento do passado deve estar ligado aos problemas do presente.
Dentre os intelectuais alemães mais falados na época, Sérgio Buarque encontra identificação na obra de Max Weber, cujo exemplo mais claro de sua influência em Raízes é a metodologia dos contrários. Utilizando o critério tipológico de Weber, Sérgio Buarque focaliza em pares de tipos sociais, e não na pluralidade deles, explorando conceitos polares como rural/urbano, trabalho/aventura, Estado/família patriarcal e público/privado. O esclarecimento dos conceitos contrários não é a opção por um deles, mas sim o jogo dialético entre ambos, onde cruzando e misturando conceitos opostos, chega-se a uma conclusão. Como explica Antônio Cândido no prefácio que faz ao livro:
“A visão de um determinado aspecto da realidade histórica é obtida pelo enfoque simultâneo dos dois; um suscita o outro, ambos se interpenetram e o resultado possui uma grande força de esclarecimento” (p. XIV).

No conjunto da obra em questão, houve um capítulo que se destacou, tornando-se essencial à compreensão da identidade brasileira. Capítulo V – O Homem Cordial aborda características próprias do brasileiro como conseqüências dos traços do passado.
Sérgio Buarque começa o livro falando sobre nossas origens remotas, os países ibéricos – Portugal e Espanha -, que, menos europeizados que os demais países europeus, não tiveram uma hierarquia feudal tão enraizada, tendo como conseqüência disso uma frouxidão organizacional trazida ao Brasil, além de uma burguesia mercantil precoce em relação aos demais, que não gostava de trabalho físico, do trabalho regular e das atividades utilitárias, mas sim de serem senhores.
A frouxidão das instituições abriu portas para o tradicional personalismo, para a cultura da personalidade que, segundo Sérgio Buarque, é o traço mais decisivo na evolução dos hispânicos:
“Pela importância particular que atribuem ao valor próprio da pessoa humana, à autonomia de cada um dos homens em relação aos semelhantes no tempo e no espaço, devem os espanhóis e portugueses muito de sua originalidade nacional” (p. 4).

Os ibéricos são conceituados por Sérgio Buarque como aventureiros, ou seja, aquele que pensa diretamente no objetivo final, busca novas experiências e a mira de seu esforço tem tanta relevância capital que chega a dispensar os processos intermediários para chegar ao ponto final. Quer ganhar dinheiro fácil.
Ao contrário do trabalhador – que estima a segurança e o esforço, que enxerga primeiro o obstáculo a vencer e aceita compensações em longo prazo – o português chegou ao Brasil graças a seu espírito aventureiro. E aqui permaneceu graças a sua grande capacidade de adaptação.
Unindo sua forte adaptabilidade e a não disposição para trabalho braçal junto à fidalguia trazida de sua terra, o português instaurou no Brasil a lavoura de cana como ocupação da terra e dinheiro fácil unida ao trabalho escravo que resolvia, de maneira lucrativa, a não disposição ao trabalho, mas sim à senhoria. Antônio Cândido ainda completa:
“A lavoura de cana seria, nesse sentido, uma forma de ocupação aventureira do espaço, não correspondendo a ‘uma civilização tipicamente agrícola’ (pág. 18), mas a uma adaptação antes primitiva ao meio, revelando baixa capacidade técnica e docilidade às condições naturais” (p. XVI).

A vida rural foi um marco muito forte na formação da sociedade brasileira. A estrutura de nossa sociedade colonial era rural, já que quem detinha o poder na época colonial eram os senhores rurais.
Em 1850 instaura-se a lei Eusébio proibindo o tráfico de escravos. Entre 1851 e 1855 há notável crescimento urbano por causa das construções das estradas de ferro. O progresso chegando, o café como nova fonte de capital e os filhos de fazendeiros sendo mandados para nas cidades estudarem. Dessa classe rica e intelectual veio um progresso social que demoliu suas próprias bases: a escravidão. A partir daí, os capitais ociosos do tráfico foram para as cidades, para investimentos e especulações.
Aqui nessa época Sérgio Buarque enfoca a enorme incompatibilidade entre o mundo tradicional e o moderno, entre rural e urbano. O Brasil não tinha estrutura econômica, política e social para desenvolver a indústria e o comércio. Os homens do campo que migravam para a cidade eram os mais importantes, os colonos que diziam que o trabalho físico não dignificava o homem, mas sim o intelectual. Dessa forma, é possível imaginar as dificuldades que chegaram com a Revolução Industrial, onde o homem vira máquina.
Assim, a vida na cidade se desenvolveu de forma desorganizada e prematura, o que nos leva ao capítulo seguinte: o estudo da importância da cidade como instrumento de dominação e como ela foi fundada nesse sentido.
Aqui Sérgio Buarque prende-se um pouco nas colonizações portuguesa e espanhola, identificando-os como semeador e ladrilhador. O ladrilhador seria o espanhol que coloniza parte da América construindo cidades planejadas, com a intenção de estabelecer um prolongamento estável na Metrópole. Suas cidades eram construídas nas regiões internas do continente tomando conta, assim, de toda cultura local.
Os portugueses, semeadores, agarraram-se ao litoral semeando cidades irregulares, sem ordem e sem objetivos fortes de dominar a cultura do local, norteados por uma política de feitoria, querendo fortuna rápida para tornarem-se nobres.
A urbanização no Brasil, irregular que foi, criou um desequilíbrio social. O peso da família tradicional dificultou a formação da sociedade urbana moderna.
No Brasil, círculo familiar e família patriarcal, muitas vezes são confundidos com Estado. Sérgio Buarque afirma e reafirma que são completamente diferentes, explicando que um comportamento pessoal e familiar não funciona numa burocracia democrática, pois um é individual e o outro é coletivo, um é privado e o outro é público.
“O Estado não é uma ampliação do círculo familiar e, ainda menos, uma integração de certos agrupamentos, de certas vontades particularistas, de que a família é o melhor exemplo. (…) Há nesse fato um triunfo do geral sobre o particular, do intelectual sobre o material, do abstrato sobre o corpóreo e não uma depuração sucessiva” (p. 101).

O homem cordial é aquele que vem da família, é o homem hospitaleiro e generoso. No entanto, sua polidez é apenas aparente, um disfarce que serve de defesa ante a sociedade, preservando a sensibilidade e emoções do indivíduo e mantendo sua supremacia ante o social.
A manifestação de respeito, por exemplo, aqui no Brasil, concretiza-se no desejo de estabelecer intimidade: os tratamentos pelo diminutivo ou pelo primeiro nome são exemplos disso. Dessa forma, é possível aproximar pessoas e objetos dos sentidos e do coração, demonstrando um certo horror à distância.
Sérgio Buarque diz que a mentalidade cordial é uma sociabilidade aparente que não se impõe ao indivíduo e também não exerce efeito positivo na estruturação de uma ordem coletiva. Deste fato, ocorre o individualismo do homem cordial manifestando relutância a alguma lei que o contrarie.
Em seguida, critica a satisfação do brasileiro com um saber aparente, levantando, com isso, dogmas que levam à confiança máxima nas idéias, mesmo quando inaplicáveis, o que traz à tona o positivismo no Brasil. Critica o Brasil que acredita em fórmulas.
Aproveita e também afirma que a ausência de partidos políticos na época é um sintoma de nossa inadaptação ao regime legitimamente democrático, criticando a democracia no Brasil, numa época em que não se falava nela, dizendo que falta-nos um verdadeiro espírito democrático.
A salvação para o Brasil, segundo Sérgio Buarque, seria uma revolução que daria fim aos resquícios da história colonial e começar a traçar uma história brasileira, diferente, particular e moderna. Trata-se de adotar o ritmo urbano e elevar as camadas oprimidas da população, pois apenas estas poderão revitalizar a sociedade e propiciar novo sentido à vida política, já que são fisicamente melhores que a classe alta e também o seriam mentalmente se as oportunidades fossem favoráveis, como seriam no caso da “revolução”. Porém, com a cordialidade, o brasileiro dificilmente chegará nessa revolução.

Por F

About these ads

17 respostas para Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda

  1. Maria disse:

    Gostei muito

  2. claudia marcia disse:

    Adorei o conteúdo,de facil entendimento. Obrigada

  3. carla joelma disse:

    adorei me ajudou muito,obg

  4. Chega de cordialidade!
    Já passou da hora dos brasileiros lutarem por melhores condições sociais. Ser codial e hospitaleiro, pra quê? isso não muda nossa condição de país analfabeto, de país das injustiças sociais, da condição de desemprego e tampouco melhora a democracia. Vamos fazer uma revolução! Vamos mudar esse sistema. Há muito precisamos aniquilar com os resquícios da época colonial.

  5. Edna Moreno disse:

    Armas que matam. Enriqueça-te de Sabedoria,
    Armas que ferem. que com Ela não te perdera
    Armados assim os soldados, em teu dia a dia.
    não se chega a nada. Que os ensinamentos seje
    se queres armar-se, sempre teu alimento, a
    arme-se com as armas alimentar aos famintos de
    mais podoresa, que te conhecimento, a enriquecer
    enobreces, que se chama o País, de dignidade e
    a arma da Educaçao. honra, assim a imortalida
    Se queres te enriquecer. de te fará presente.

  6. francisca elieuza disse:

    eu adorei e muito interesante

  7. Leonardo disse:

    MUITO BOM! Obrigada pela ajuda.

  8. Tio Leo disse:

    Adorei essa resenhas me ajudou muito valeu.

  9. Sandra disse:

    muito bom , obrigada pela imensa contribuição.

  10. Adorei o texto… muito obrigado!

  11. Erika disse:

    muito bom!!! o texto esta ótimo.

  12. Rafael Neves disse:

    Me ajudou bastante o texto, muito obrigado!

  13. Lais disse:

    Queria uma resenha do texto A democracia em Raízes do Brasil, só essa parte, e ñ de um modo geral

  14. Ajuda-nos a entender os tempos atuais. Principalmente as nossas elites. Muito bom texto!

  15. Benet Nader Scherner disse:

    DESEJO LER O LIVRO POIS PELA RESENHA POSSO VERQUE ME AJUDARÁ MTO A CONHECER A CAUSA DO CMPORTAMENTO DO BRASILEIRO ME SUAS DEVIDAS REGIÕES

  16. jose aparecido meira disse:

    Gostei da resenha. Pretendo ler o livro na íntegra e compreender melhor porque Nós, brasileiros, temos essa intimidade e tendencia tão grande com o “jeitinho brasileiro”

  17. anna21 disse:

    legal

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.