Etnografia e Metodologia

Universidade: Unicamp
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Disciplina:
Ano:
Professora: Maria Filomena Gregori
Prova

Questão:
Tendo por referência o texto de Malinowski: “Tema, método e objetivo desta pesquisa” e os artigos discutidos em sala de aula de Heloísa Pontes e de Roberto da Matta, escreva sobre os principais objetivos da pesquisa etnográfica como também alguns desafios práticos e metodológicos.

O principal objetivo do etnógrafo, segundo Malinowski, é compreender a visão do povo estudado sobre o seu próprio mundo, oferecendo uma descrição clara e nítida da constituição social, distinguindo as leis e regularidades de todos os fenômenos culturais; para isso ele aponta regras metodológicas a serem seguidas para que essa outra visão da realidade se constitua em um mundo visível e palpável.
O método constitue-se em primeiramente inserir-se no ambiente de vivência da tribo pesquisada e permanecer nele em tempo integral para assim permitir-se observar todos os acontecimentos corriqueiros, que vão além das cerimônias e festas, para com sensibilidade compreender a verdadeira forma que se pretende configurar essa cultura. Estando presente incessantemente no local de estudo é possível ver além das aparências, ver o cotidiano, a essência que se mostra quando sua própria presença passa despercebida. Presença esta que age no local de estudo como uma pedra jogada em um lago, que atormenta a normalidade, mas que depois de passado um tempo para de agitar as águas.
Em segundo lugar é necessário ao pesquisador um bom domínio teórico sobre a antropologia, para levar a maior quantidade de problemas quanto possíveis a campo, para comprovar teorias e hipóteses com os fatos encontrados ou ter a flexibilidade necessária para refutá-las quando essas se mostrarem empiricamente errôneas, também para ter as idéias e metodologias necessárias para que um bom e reconhecido trabalho científico seja feito.
Em terceiro lugar deve-se ter a metodologia necessária para acumular dados e colher informações que sirvam ao pesquisador, para que com todo esse seu material, que deve abranger a maior variedade de experiências e fatos, chegar a teorias gerais por meio da indução. Essa fase do método deve ser dividida em três partes para a constituição de um corpo com esqueleto, carne, sangue e espírito, que represente a verdadeira vida social e cultural que é levada na tribo. O esqueleto é construído com base nos dados científicos coletados que devem sempre ser discriminados de forma precisa e clara para que não haja dúvidas sobre sua procedência e para que se ganhe a confiança do leitor de que o que está sendo realizado é um estudo com rigor científico. Devem-se transformar em material de base todas as informações, ocorridos e eventos, enfim, o maior número possível de informação a respeito da tribo para assim estudá-la. A carne e o sangue, de outro modo, constituem-se de fatos que são classificados por Malinowski como os imponderáveis da vida real, e com razão, pois são fatos que só serão desvendados se observados com a visão de alguém que está integralmente no ambiente, tendo a sensibilidade de sentir suas nuances, e qual descrição dependerá da habilidade do etnógrafo de dar plasticidade à realidade observada, de sua capacidade de deixar de lado todo o aparato científico e mergulhar no mundo à sua volta, sentindo-o e vendo-o como ele realmente o é, seu cotidiano, seus ritos, suas formas de organização, suas regras sociais, seus minuciosos costumes e seu peculiar modo de viver. O espírito, de outra maneira, seria a maneira típica dos indivíduos daquela sociedade pensarem e sentirem, tomando-os como membros da cultura na qual foram forjados.
Já Roberto da Matta dá ênfase a três outros estágios que se passam na pesquisa de campo: A primeira fase, inundada de conhecimento teórico-científico cru, etéreo, abstrato, seco e valorizado; a segunda fase, o período prático, no qual as únicas preocupações são pragmáticas, de quanto de arroz levar a que remédios buscar; e a terceira fase da pesquisa, quando se está efetivamente no local, a que se encontra entre a realidade e o livro. Mas seu foco é em sua crítica a antropologia científica que nega a parte humana desse saber, chamada por ele de anthropological blues, formado pelas sensações, pelas recordações, pela ligação da qual é impossível fugir, que se constituiria da parte subjetiva, tão criticada por Malinowski que segue o estilo durkheiniano ao afirmar que o etnógrafo não deve dar ênfase no que o toca, o surpreende, mas sim deve anular-se. Ao contrário, Roberto da Matta afirma que essa tão rechaçada contribuição humana é fundamental à pesquisa, pois a antropologia não é uma ciência de uma mão só, como bem comprova empiricamente Heloísa Pontes ao perceber que o trabalho de campo depende e muito da troca, que dela surge o convívio social necessário para que se obtenha não só os dados desejados, mas para que se veja a realidade do objeto de estudo como ela é. Não basta portanto esperar a boa vontade dos indivíduos que constituem aquele sistema para conseguir o trabalho, é necessário ganhar a confiança, ser merecedor de sua atenção. Isso não significa que o antropólogo deixe de ser um cientista, ele continua a interferir o menos possível na realidade objetivada, mas com o discernimento para distinguir o quanto se deve avançar e contribuir. Como afirma Roberto da Matta, a antropologia é uma ponte entre dois universos culturais distintos, mas para que essa ponte seja estabelecida é preciso que as duas partes a construam, pois: “..o homem não se enxerga sozinho… ele precisa de outro como seu espelho e seu guia.”
Além disso, mesmo que o pesquisador continue a tentar apagar-se ainda sim o outro não fará o equivalente, irá estudá-lo e irá se reconhecer nele, estabelecendo essa ligação íntima que tanto é evitada racionalmente pelo pesquisador, mas que ao o mesmo ser remetido à sua própria cultura com toda a força do sofrimento de seu isolamento que lhe é causado pela pesquisa, tenta encontrar nesse novo meio suportes emocionais.
Se ser antropólogo é transformar o extraordinário em familiar e vice e versa, e para que haja essa alteridade é preciso entrar no universo do outro desligando-se do seu próprio, o pesquisador como ser humano tem a necessidade de criar alguns laços mesmo que se force a não o fazer.
As dificuldades da pesquisa etnográfica consistem então em não apenas na clareza teórica e no conhecimento científico, tão arduamente conseguidos; nas limitações corporais e costumeiras, advindas de sua própria cultura e costumes; na organização metodológica, ordem necessária; na sensibilidade da percepção, talento inerente e dificilmente desenvolvido; no deciframento de regras estabelecidas mas não postuladas que pairam, que não se encontram em nenhum indivíduo mas no conjunto de todos eles; mas também a consciência e o auto controle para saber o quanto interferir e como, como ligar-se e desprender-se; sempre objetivando a compreensão do mesmo universo, dividido pela interpretação de que cada cultura o faz, pela visão de que cada indivíduo tem sobre seu mundo e que o antropólogo deseja compreender.

por R

About these ads

3 respostas para Etnografia e Metodologia

  1. allan disse:

    acho que isso vai ser de grande ajuda pra minha prova de amanha! ;P

  2. Rafael Mandlate disse:

    Gostei imenso da materia pois um etnografo nao tem que usar linguagem literaria na sua observaçao ou na recoleçao de dados nem linguagem tecnica.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.